quarta-feira, 13 de maio de 2009

Prakruti e Vikruti constituição de nascimento e o desequilibrio

É a constituição física e psicológica individual, também denominada “natureza” e determinada no ato da concepção. Cada constituição pessoal foi determinada pelo estado em que os pais se encontravam física, mental e espiritualmente no momento da concepção do bebê. O Prakruti é influenciado pela genética dos pais, tanto quanto pelos hábitos e dieta da mãe durante a gestação. O conjunto de tendências metabólicas, que determina como o corpo e a mente reagirão instintivamente, quando são confrontados por estímulos é o Prakruti. Definindo qual é a constituição de nascimento, pode-se conhecer melhor cada indivíduo. Aprende-se que não é necessário sentir que está errando, por ter preferências alimentares ou quando sente medo ou raiva. Quando é compreendido que estas características são determinadas pela constituição através da combinação dos cinco elementos, mudanças importantes no estilo de vida poderão auxiliar o organismo a minimizar estas influências. Definir o Prakruti auxilia imensamente tanto à prevenção quanto ao tratamento de doenças. Esta condição natural, o Prakruti, mantém-se estável ao longo da vida, como a cor dos olhos, por exemplo.


Prakruti - Existem dez tipos básicos: V, P, K, VP, VK, PV, KV, PK, KP e VPK.


Vikruti


É a condição atual, em que os desequilíbrios estão se manifestando, quando um ou mais elementos sofrem influências nocivas. Em Sânscrito, Vikruti quer dizer “alteração do corpo, mente e consciência”. A exposição excessiva, através de maus hábitos de vida, pode agravar um ou mais elementos, representados nos Doshas (Humor individual ou DNA energético), o que pode gerar doenças. O Vikruti pode sofrer flutuações anuais, mensais, diárias ou até mesmo a cada minuto. Estas flutuações são partes constantes e saudáveis da vida. Não são as mudanças, mas a nossa resistência ou inabilidade para nos ajustarmos a elas, que podem desequilibrar um ou mais Doshas.Vikruti - Os desequilíbrios podem se manifestar como doenças externas nos aspectos físicos, psíquicos e sociais da nossa vida.


OS DOSHAS

Na visão da Ayurveda, todo o Cosmos é uma interação da energia dos cinco elementos – Éter, Ar, Fogo, Água e Terra, que atuam sobre três princípios básicos energéticos, os quais estão presentes em toda a natureza. Estes são denominados Doshas ou DNA energético. Dosha significa literalmente em Sânscrito, “impureza, erro ou aquilo que desequilibra”. Entretanto, dentro do contexto em Ayurveda, a definição para Dosha utilizada nos textos de Charaka e Sushruta, segue um outro significado. Assim, Dosha significa Organização. Quando os Doshas estão equilibrados, eles mantém uma psico-fisiologia harmoniosa. Porém, no momento em que eles entram em desequilíbrio, poderão intoxicar, poluir ou “viciar” os Dhatus (tecidos). Neste momento eles se transformam em Doshas (aqui se aplica o significado de Impureza). Dosha é o que desequilibra, então afeta os tecidos, gerando doenças. Porém, de forma saudável, Dosha significa os três princípios que governam as respostas psico-fisiológicas e as mudanças patológicas. Os cinco elementos básicos manifestam-se no corpo humano como três princípios ou humores, conhecidos como Tridosha. O microcosmo possui três energias principais: Vata, Pitta e Kapha. Elas são formas ativas e são representadas nos seres vivos como os cinco grandes elementos: Vata surge do ar e do som (éter); Pitta surge do fogo e da água e Kapha surge da água e da terra. Os três Doshas são como forças sutis, criadas pela natureza para permitir a existência da vida corpórea. Não pertencem à realidade do plano físico; por isso, não é nada surpreendente que seja fácil e rápido perturbá-los.Assim como as necessidades físicas do corpo (urina, fezes e suor), também Vata, Pitta e Kapha só podem manter o corpo saudável quando fluem continuamente fora dele, mantendo seu equilíbrio recíproco. A urina é um importante veículo para livrar o corpo do excesso de Kapha; o suor arrasta o excesso de Pitta e as fezes, do excesso de Vata. A adequada eliminação dessas substâncias, ajuda a manter os níveis saudáveis dos Doshas dentro do corpo. Só quando Vata, Pitta e Kapha se desequilibram, surge a enfermidade. É necessária a energia para criar movimento, para que os fluídos e nutrientes possam estar nas células, permitindo o funcionamento do corpo. Energia é também necessária, para metabolizar os nutrientes nas células e ser utilizada para lubrificar e manter a estrutura celular.




VATA PITTA KAPHA


Ar e Éter Fogo e Água Água e Terra




Energia do Movimento Energia da Transformação Energia da Estrutura




Em Ayurveda, corpo, mente e consciência trabalham em conjunto para a manutenção do equilíbrio. Eles são vistos simplesmente como diferentes facetas do mesmo indivíduo. Para aprender como equilibrar as três áreas é preciso entender como Vata, Pitta e Kapha trabalham juntos. Cada Dosha é composto por todas os 5 elementos, entretanto, dois elementos são predominantes em cada um. Eles representam as bases da Ayurveda. O conceito dos princípios – vento, bile e fleuma – encontrado na medicina Grega do passado, é uma alusão inspirada na Medicina Ayurveda.Os três Doshas permitem que os planos espiritual e mental da existência se expressem por mediação do corpo físico.


- Vata está a cargo de tudo o que se movimenta no corpo e na mente. A causa de qualquer movimento, desde o de uma molécula até um pensamento, é Vata quem controla.
- Pitta está a cargo de todas as transformações do organismo. A assimilação dos alimentos pelo intestino, da luz pelos olhos, os dados sensoriais pelo cérebro, são exemplos de atividades de Pitta.

- Kapha é a influência estabilizadora do ser vivo, lubrifica, mantém e contém suas diversas atividades, tal como as de Vata e Pitta, estão inter-relacionados.

A menor célula do corpo tem uma estrutura tão complexa quanto qualquer organismo; ingere alimentos, os digere e expulsa os resíduos do processo. A vida é inconcebível sem estas três atividades: movimento, metabolismo e estabilidade ou energia cinética (Vata), energia potencial (Kapha), e força que regula a conversão de um elemento ao outro (Pitta). Tanto o combustível (Kapha) como algo que acenda (Pitta) e o ar que alimenta a combustão (Vata), são essenciais para acender o fogo. Se qualquer um deles faltar, a chama não se acenderá.

VATA: A composição sutil entre Éter e ar representa a energia associada ao movimento. Vata governa a respiração, o piscar dos olhos, os movimentos dos músculos e tecidos, a pulsação do coração e todos os movimentos nas membranas celulares. Ele impulsiona o alimento através do tubo digestivo; se o trânsito é demasiado lento ou demasiado rápido, a digestão, a assimilação e a eliminação se ressentirão. Contribui também para a combustão do alimento, ao soprar sobre certos órgãos para favorecer a secreção de sucos gástricos. Se o vento é insuficiente, significa insuficiência das secreções; quando há excesso de vento, o fogo será apagado. No cérebro, Vata se encarrega da memória, do movimento dos pensamentos, desde o armazenamento até a consciência do momento presente e volta ao arquivo.

PITTA: Ele decompõe os alimentos, preparando-os para assimilação; o excesso ou a insuficiência de Pitta dificulta este processo. No cérebro, Pitta controla o conhecimento, a transformação da matéria prima (dados sensoriais) no pensamento; como discernimento, a comparação dos pensamentos dá uma conclusão como resultado.

KAPHA: Lubrifica o intestino, as articulações e protege os órgãos; igual a uma panela contém os alimentos e mantém o fogo digestivo; o transtorno de Kapha quebra os resultados da digestão. No cérebro, Kapha proporciona a estabilidade necessária para que a mente funcione de forma coerente. Quando os três Doshas atuam juntos em harmonia, a mente se harmoniza; e quando estão desequilibrados, a mente se desequilibra.

“A perturbação destas forças essenciais cria perturbações emocionais: no caso de Vata, especialmente medo e ansiedade; em Pitta, sobretudo a raiva e a inveja e em Kapha, principalmente avidez e apego excessivo.”

As emoções refletem-se diretamente do corpo físico; e as flutuações corporais alteram as emoções. Os cientistas têm demonstrado que quando uma pessoa modifica sua expressão facial, essa nova posição adotada pelos músculos, modifica o fluxo do sangue nas diversas partes do cérebro, modificando efetivamente o funcionamento da consciência. Por exemplo, se conseguirmos que uma criança enfurecida sorria, mesmo que seja um pouco, em geral ela deixará de fazer birra. Desta maneira, existe continuamente uma influência recíproca entre os diferentes níveis de nosso ser.


· Vata – é seco, frio, ligeiro, móvel, claro, áspero e sutil.
· Pitta – é ligeiramente oleoso, quente, intenso, ligeiro, fluído, ácido ou fétido, móvel e líquido.

· Kapha – é oleoso, frio, pesado, estável, pegajoso, suave e brando.

Características partilhadas pelos Doshas:

Ligeiros- Vata e Pitta

Lento e Pesado Kapha

Frios- Vata e Kapha

Quente- Pitta

Úmidos- Pitta e Kapha

Seco- Vata

Texto Goura Hari.

quarta-feira, 29 de abril de 2009

Massagem Ayurveda Chavutti - Kerala Sul da Índia

Esta arte de massagem, típica do Kerala no sul da Índia, encontra-se associada a três outras tradições: o Kalaripayattu (arte marcial indiana), o Kathakali (dança clássica) e o Ayurveda (sistema de medicina indiana). Em Kalaripayuattu, assim como no Kathakali exige-se dos praticantes excelente forma física, flexibilidade, resistência e soltura.
O Chavutti Thirummal se originou entre os praticantes destas duas artes afins. Eles recebem ao longo de seu treinamento e condicionamento físico, massagem com regularidade para habilitá-los aos difíceis e puxados movimentos. De todas as formas de massagem Chavutti é a que pode proporcionar pressão mais profunda com uniformidade. Neste estilo de massagem, o terapeuta desliza com os pés sobre o corpo do paciente untado com óleos medicinais. Para seu equilíbrio durante as manobras, ele se apóia em uma corda que pende do teto. A pressão do peso do praticante ao deslizar com o pé relaxa os músculos e libera o fluxo energético.
O praticante desta modalidade de massagem é exigido coordenação, equilíbrio e preparo físico, além de grande sensibilidade com os pés aliada ao domínio do uso de seu peso para gerar uma pressão adequada e uniforme no deslizar constante pelo "circuito do corpo".
Hoje vista como a massagem para os esportistas e os atletas do corpo, a Chavutti sempre foi a principal ferramenta terapêutica dos guerreiros dos dançarinos e na medicina propriamente dito.
Mestre Goura - demonstração do Chavutti

quinta-feira, 12 de março de 2009

Curso de Formação em Terapeuta Ayurveda



O.S.C.I.P. - ATMARAJ ACADEMIA INTERNACIONAL DE AYURVEDA YOGA DO BRASIL E TERAPIAS INTEGRADAS ORGANIZAÇÃO DA SOCIEDADE CIVIL DE INTERESSE PÚBLICO




PROJETO AYURVEDA Resgate da Consciência Ética, Social, Saúde, Cultural, Ecológica e Tecnológica CURSO DE FORMAÇÃO DE TERAPEUTA AYURVEDA Venha conhecer a mais antiga ciência que estuda a vida como ela é. Você que profissional da saúde, médico, esteticista, terapeuta, enfermeiro (a), psicólogos (a), praticante de Yoga, artista, doméstico (a), não importa, esse conhecimento é a base para que se possa ter para passar por essa existência mais consciente e com ferramentas extremamente eficazes em suas ações terapêuticas. O CURSO DE FORMAÇÃO DE TERAPEUTA AYURVEDA SERÁ TOTALMENTE APOSTILADO E COM AULAS TEÓRICAS E PRÁTICAS NOS MÓDULOS DE TERAPIAS CORPORAIS, FITO, MUSICA, GEMA, AROMA E TERAPIAS DA NUTRIÇÃO, YOGA E PSICOLOGIA. O CURSO SERÁ REALIZADO EM 20 MESES SENDO 14 MÓDULOS BÁSICOS MAIS 6 MÓDULOS DE ESPECIALIZAÇÃO
As aulas serão sempre no último final de semana de cada mês INÍCIO DAS AULAS 28 e 29 DE MARÇO Das 9:00 as 18:00 h.


CORPO DOCENTE DO CURSO:

- Prof. Homero Azevedo (Goura Hari Dasa)
- Prof. terapeuta Ayurveda e Instrutor de Yoga
- Dr. Samuel Ferreira Dias da Silva
- Nuero Psicoimunológico Geriatra
- Dr. Rogério da Silva Veiga - Farmacologista
- Dr. Prof. Adalton Vilhena Stracci - Iridologista Biomolecular
- Prof. Alexandre Tavola - Físico Mecatronico e Quantico
- Prof. Gerson D´Addio da Silva - Instrutor de Yoga e Edução Física
- Ter. Jussara Correa (Syama Sundari Kaviraj) - Terapeuta Ayurveda - Psicologia
Programação do Curso em Módulos

- Modulo I – Introdução a cosmologia Védica (Samkhya e Vedanta) – Estudo dos Cinco Grandes Elementos, Introdução a psicologia Ayurvédica (o conhecimento da Mente Humana) e a Física Quântica.
- Modulo II – Doshas –Vata, Pitta, Kapha – Dhatus (tecidos do corpo) Srotas (canais do corpo).
- Modulo III – Dina Charya (rotina diária para manter a saúde de acordo com a natureza pessoal) Introdução ao Vasto Vidya (harmonização de ambiente).
- Modulo IV – Anatomia, Fisiologia - Módulo V (os Chakras), Introdução ao estudo dos Marmas (reconhecimento dos pontos de energia).
- Modulo VI e VII – Nutrição e Culinária Ayurvédica. Cardápio para os doshas – Os seis sabores e as suas propriedades terapêuticas – Rasa – Virya – Vipak – Prabhava.
- Modulo VIII – Diagnostico básico (pulso, língua, olhos (introdução a iridologia), unhas, anamnese). Pro Sync Analisador de Biorressonância com sistema de computador.
- Modulo IX – Yoga Terapia (asanas apropriados para cada dosha) Kriyas, Bhandas, Yantras, Mantras, Meditação, Yoganidra
- Modulo X - Introdução a Fitoterapia (conceitos básicos de maceração, decocção e infusão) propriedades das ervas e as semelhanças das ervas indianas com as brasileiras.
- Modulo XI - Kayachikitsa (introdução às técnicas de massagens e procedimentos básicos para as terapias ayurvédicas – do Norte e do Sul da Índia). Drenagem linfática e estudos mais profundos do sistema linfático.
- Modulo XII – Continuação do Kayachikitsa – As bases do Shamana (Snehana – A importância do óleo nas terapias Ayurvédicas) Abhyanga, garshana, udwartana, Shirodhara, pizzitilli).
- Modulo XIII – Continuação do Kayachikitsa – Swedana – técnicas de aquecimento (pinda sweda, nadi sweda, parisheka sweda, bastis (netra tarpana, kati basti, shiro basti, hridi basti).
- Modulo XIV – Avaliação final do curso básico. A partir do 15º módulo o aluno pode optar entre as duas especializações que a Academia oferece. As aulas são em dias diferentes com a mesma carga horária.
- Especialização em Panchakarma
- Especialização em Naturopatia/Estétifca Ayurvédica.
No final do curso, o aluno que se interessar, poderá participar de um Curso Avançado em Panchakarma ou outra Especialização de seu interesse no período de 25 dias, na Faculdade Tilak Ayurveda Mahavidialaya com práticas no Hospital Escola Selth Tarachand Ramanad na cidade de Poone – Índia.




INFORMAÇÃO E RESERVAS




Atmaraj ( 11) 3666-9167 / 9411-1353


Spa Luciana Marques (11) 2478-8165 / 9884-5187




O.S.C.I.P. – ATMARAJ - ORGANIZAÇÃO DA SOCIEDADE CIVIL DE INTERESSE PÚBLICO Academia Internacional de Ayurveda Yoga do Brasil e Terapias Integradas


Rua Lavradio, 99 – Perdizes – São Paulo








terça-feira, 10 de março de 2009

Thay Massagem com Asanas do Yoga


Thai tem sua origem na Tailândia. Massagem tailandesa de verdade é bem parecida com uma aula de Yoga. Fica clara essa influência nas posições e movimentos de extensão.
Suas origens estão na Índia, assim como o Yoga, e também no Budismo. Nas raízes dessa massagem milenar vamos encontrar também influências da medicina ayurvédica e chinesa. Seu fundador foi um médico indiano contemporâneo de Buddha, Jivaka Kumar Bhaccha (na Tailândia, Dr. Shivago Komarpaj), que é mencionado nas antigas escrituras (Pali Canon) do Theravada Buddhism.
Existem 60 posições básicas para a aplicação do Thai, 30 mostrando a frente do corpo e as demais mostrando as costas. Estão ali também as linhas de energia (Sen, em Thai) e os pontos de terapia (onde se usa pressão) ao longo das linhas. Thai massagem não é baseada num sistema ocidental de anatomia. É baseada em energia, prana, que é o fundamento de todas as técnicas orientais de cura. No corpo humano essa energia flui por uma rede de canais ou linhas Sen, nadís ou meridianos. A saúde é o equilíbrio e a harmonia dessas energias em nosso corpo. Além disso, a saúde é vista como um estado de vitalidade, força e paz interior. Esse trabalho combina massagem nos pontos e linhas de energia, alongamento, torções e meditação. Assim como no Yoga, a Thai reconhece 72.000 canais de energia ou nadís.
As mais importantes são: Sushuma que é o canal central, Ida que é o canal negativo ou feminino e Pingala que é o canal positivo ou masculino. Todas as linhas são importantes, mas essas afetam mais diretamente todo o nosso sistema energético e estão diretamente ligadas aos Chakras (centros vitais) mais importantes.
Thai massagem é um dos quatro ramos da medicina tailandesa. Os outros três são ligados à cura com ervas, dietas e práticas espirituais, como a meditação.
Profundamente ligada ao Budismo que florescia na época, a Thai é um caminho para se cultivar os quatro estados divinos dessa filosofia: Metta (bondade amorosa), Karuna (compaixão), Mudita (alegria contagiante) e Uppekha (equanimidade, imparcialidade, não agressão).
É assim que se trabalha quando se aplica uma Thai: em estado meditativo, fluindo como uma dança, com seu ritmo divino, aprofundando a conexão corpo, mente e espírito. Os efeitos são como no Yoga: aumento da energia vital, alívio das tensões, liberação da energia estagnada, aumento de flexibilidade nas articulações, alongamento dos músculos, relaxamento e sensação de paz e equilíbrio. Chamo de Thai Yoga o trabalho que combina as duas coisas: práticas de Yoga e Thai massagem.
Como no Yoga, Thai utiliza os pránáyámas todos os dias; usa também os bandhas (contrações de estruturas musculares localizadas sobre alguns chakras).
Para os padrões da Medicina Ayurveda, onde, o uso de massagem é de fundamental importância, pode-se utilizar as técnicas do Thai Yoga como instrumento eficaz nos tratamentos, ou até mesmo como terapia isolada.Vou descrever uma seqüência básica onde pode ser utilizada nas práticas de Dina Charya (rotina diária) e em pacientes saudáveis. Isto é, para manutenção da saúde. Podendo, dependendo do caso, vir a ser utilizada como instrumento complementar dos tratamentos Ayurvédicos.

video

Caso você tenha alguma dica, sugestão ou informação, entre em contato por email: spalucianamarques@gmail.com

Agradecemos o carinho e atenção de nossos leitores.

terça-feira, 3 de março de 2009

Massagem Ayurveda - Abhyanga




As massagens Ayurveda fazem parte do sistema de medicina da Índia milenar. É o mais completo sistema de manipulação corporal atuando em todos os níveis através do equilíbrio dos Doshas (humores) Vata (ventos), Pitta (bile), Kapha (muco). A massagem é realizada com óleos medicados e pós de ervas de acordo com o Dosha dominante. Esse curso é um verdadeiro resgate da arte de tocar com os pés e com as mãos e de interpretar os sintomas numa linguagem clara e prática aos sinais do corpo
Ela tem tido um papel muito importante, desde a sua origem, durante milhares de anos, nos tratamentos de saúde da medicina e terapia Ayurvédica.
Hoje a massagem Abhyanga faz parte do repertório de tratamentos que são oferecidos pelos luxuosos Spas e centros de tratamento e termas de todo o mundo.
Esta ciência tem como objectivo revitalizar o ser humano, através do equilíbrio dos doshas, ou seja, de todas as suas energias.
A Abhyanga é realizada com um tipo de óleo medicinal, de acordo com os preceitos indicados pelo terapeuta ou médico ayurvédico, que é aplicado em todo o corpo, em grande quantidade, ou nas partes indicadas aquando da consulta, estimulando, assim, a circulação sangüínea e linfática e eliminando as toxinas. Para além dos benefícios relativos à nutrição e hidratação da pele, permite tratar o excesso do dosha Vata, fraqueza e problemas dos pulmões, ossos e sistema nervoso. É recomendada para qualquer idade; ajuda a reverter os efeitos de auto-indulgência, irregularidade e solidão.